Para parceiros

A nossa história

Somos uma pequena empresa social recente (Junho de 2020) à base de voluntariado. Queremos ser financeiramente sustentáveis no fim de 2021. Até lá, temos espaço para um parceiro com a mesma visão de educar hoje os líderes do futuro.

A nossa visão e missão

A nossa visão é de um mundo melhor, em que as crianças de hoje são os líderes de amanhã e têm alta inteligência emocional e as qualidades de carácter que daí decorrem: trabalho em equipa, coragem, honestidade, empatia, resiliência, gratidão, e consciência social e ambiental.

Para chegar lá, a nossa missão é ensinar crianças a reconhecer o que sentem, perceber a razão e obter o que precisam; e também ajudar os pais e professores a criar um espaço para falar de emoções com as suas crianças.

O nosso primeiro objectivo é a felicidade das crianças.

Saber mais

Pode saber tudo sobre nós nos ítens desta página. Se tiver perguntas ou achar que alguma coisa está em falta, por favor contacte-nos.

O problema em que trabalhamos

Antes da pandemia, 20% das crianças tinham baixa consciência emocional, o que é um dos factores de risco para ansiedade (correlação de 32%) e depressão (correlação de 40%) (Kranzler et al., 2016). Estes problemas têm aumentado: a ansiedade e depressão cresceram 50% entre 2003 e 2007 (Center for Disease Control) e a situação piorou com a pandemia (Barnardos, 2020).

A solução que propomos

É uma série infantil divertida e gratuita que desenvolve competências socio-emocionais ("SEL", "Social and Emotional Learning"). Pensado para famílias e escolas que valorizam a inteligência emocional e com crianças entre os 5 e 10 anos (idades meramente indicativas), fornece 18 vídeos, perguntas de facilitação, actividades manuais, e podcasts educativos e de qualidade. As personagens dos vídeos são fantoches e a personagem principal é o Ginja (o fantoche no logo da página). Cada dia de actividade leva entre 10 minutos e 1 hora a completar. É completamente autónomo, sem precisar da nossa ajuda nem de leitura ou formação prévia. As famílias e escolas podem aceder aos conteúdos na nossa página e seguir o Atletismo Emocional de forma flexível e ao seu próprio ritmo.

Concorrência e a nossa inovação

Felizmente, há muitas iniciativas a trabalhar neste problema. Correspondem maioritariamente a dois grupos:

  • Formação e capacitação de educadores, por exemplo o projecto RULER do Centro de Inteligência Emocional de Yale que decorre durante um ano em escolas e com professores. Estes programas presenciais são eficazes e baseados na ciência mas levam tempo e recursos substanciais para implementar com treino de professores e escolas.
  • Vídeos e filmes que mencionam emoções, por exemplo a Rua Sésamo e Inside Out (Divertida-mente). Estes programas de vídeo digitais escalam facilmente mas perdem a relação humana que está na raiz da inteligência emocional.

A nossa solução usa o melhor dos dois mundos:

  • é escalável porque o conteúdo é digital e usamos a internet para distribuir vídeos, podcasts e canções;
  • é eficaz porque os pais e professores não só vêem os vídeos com as crianças, como também reforçam as mensagens em situações específicas na vida das crianças.

O perfeito exemplo é a história que uma mãe nos contou. A sua filha de 4 anos estava a andar de bicicleta e parou em frente a uma descida. A mãe mencionou o episódio 6, em que o Sabichão tem medo das ondas, dá um nome à emoção, e o medo já não o controla. A criança seguiu os mesmos passos, sentiu alívio, e fez a descida a andar de bicicleta.

Usamos a escalabilidade da comunicação digital por internet e a eficácia da comunicação pessoal na família ou na escola. As crianças aprendem por analogia com os exemplos tangíveis nas histórias e graças à comunicação com os adultos. O nosso método inovador é digital e humano, artístico e científico, divertido e educativo.

Impacto

Medimos o nosso impacto com inquéritos junto de educadores, de famílias e com a utilização do nosso site. Os números mostram que a solução funciona e que o problema é urgente.

Resultados de inquérito em escolas

Os seguintes resultados provêm de um inquérito entre 25 de maio e 10 de junho de 2021 aos 35 educadores que passaram do episódio 7. Destes, 13 responderam (taxa: 37%) com respostas para 287 crianças com 5,9 anos de idade em média (desvio padrão: 1,8).

O resultado principal é que a maioria dos educadores consideram muito verdade que o Ginja ajuda as crianças nas seguintes áreas: consciência emocional, bem-estar emocional, resolução de problemas, auto-confiança, auto-conhecimento, expressão emocional, empatia, coragem, menos agressividade e menos stress.

O questionário teve inspiração no "Strengths and Difficulties Questionnaire" e continha estas instruções:

Encontra abaixo 10 frases sobre o possível impacto do Ginja na sua turma ou grupo de crianças. Para cada uma, marque se acha que não é verdade, um pouco verdade, ou muito verdade. Tenha em conta os vídeos, podcast, actividades, as conversas que surgiram por causa do Ginja e as mudanças no comportamento das crianças em geral.

Não é verdade
É um pouco verdade
É muito verdade

"O Ginja ajuda as crianças a minorar o cansaço e confusão de emoções da pandemia."

0,0%
Não é verdade
7,7%
É um pouco verdade
92,3%
É muito verdade

"O bem-estar emocional das crianças melhorou graças ao Ginja."

0,0%
Não é verdade
15,4%
É um pouco verdade
84,6%
É muito verdade

"As crianças têm mais facilidade em resolver problemas do dia-a-dia."

0,0%
Não é verdade
30,8%
É um pouco verdade
69,2%
É muito verdade

"As crianças sentem-se mais confiantes."

0,0%
Não é verdade
23,1%
É um pouco verdade
76,9%
É muito verdade

"As crianças desenvolveram conhecimento de si próprias."

0,0%
Não é verdade
15,4%
É um pouco verdade
84,6%
É muito verdade

"As crianças têm mais facilidade em dar um nome às suas emoções."

0,0%
Não é verdade
7,7%
É um pouco verdade
92,3%
É muito verdade

"As crianças desenvolveram empatia (por exemplo são mais solidárias e cooperativas umas com as outras)."

0,0%
Não é verdade
53,8%
É um pouco verdade
46,2%
É muito verdade

"As crianças têm mais coragem, ou são menos controladas pelos seus medos."

0,0%
Não é verdade
30,8%
É um pouco verdade
69,2%
É muito verdade

"As crianças estão menos agressivas."

7,7%
Não é verdade
38,5%
É um pouco verdade
53,8%
É muito verdade

"As crianças lidam melhor com o stress (por exemplo estão mais calmas nos testes)."

7,7%
Não é verdade
53,8%
É um pouco verdade
38,5%
É muito verdade

Resultados de inquérito em famílias

Os seguintes resultados provêm de um inquérito entre 7 e 10 de Março de 2021 às 76 famílias que passaram do episódio 9. Destas, 50 responderam (taxa: 66%) com respostas para 66 crianças com 6,7 anos de idade em média (desvio padrão: 2,1).

O resultado principal é que 88% das crianças têm alguma mudança de comportamento, sobretudo têm mais coragem, estão mais calmas e mais felizes.

O questionário teve inspiração no "Strengths and Difficulties Questionnaire" e continha estas instruções:

Encontra a seguir 5 frases. Para cada uma delas escolha uma das seguintes opções:

  • Não é verdade
  • É um pouco verdade
  • É muito verdade

Ajuda-nos muito se responder a todas as afirmações o melhor que puder, mesmo que não tenha a certeza absoluta ou que a afirmação lhe pareça estranha. Por favor, responda com base no impacto que pode atribuir ao programa do Ginja (vídeos, podcast, actividades, e as conversas que suscitou) e no comportamento da criança em geral (independentemente do confinamento das últimas semanas).

Não é verdade
É um pouco verdade
É muito verdade

"A criança reconhece mais ou está mais atenta às suas emoções:"

1,5%
Não é verdade
33,3%
É um pouco verdade
65,2%
É muito verdade

"A criança tem mais facilidade em dizer-me o que sente:"

3,0%
Não é verdade
34,8%
É um pouco verdade
62,1%
É muito verdade

"A criança tem mais conhecimento geral sobre emoções (quais são, de onde vêm, porque as temos):"

0,0%
Não é verdade
25,8%
É um pouco verdade
74,2%
É muito verdade

"A criança está mais atenta às emoções dos outros:"

4,5%
Não é verdade
39,4%
É um pouco verdade
56,1%
É muito verdade

"O Ginja mudou a vida da minha criança:"

6,1%
Não é verdade
48,5%
É um pouco verdade
45,5%
É muito verdade

Desde que começou a ver o Ginja, notou alguma diferença no seu comportamento?

34,8%
tem mais coragem, ou é menos controlada pelos seus medos
31,0%
está mais feliz
30,3%
está mais calma e enerva-se menos
19,7%
faz menos "birras"
15,2%
está mais optimista
9,1%
é menos violenta
19,7%
outra diferença de comportamento
88,3%
qualquer das opções acima

Utilizadores

Acreditamos que estamos a resolver um problema urgente pelo crescimento dos nossos indicadores de impacto (abaixo) e pelos testemunhos que ouvimos de pais e crianças.

Os seguintes resultados provêm dos dados de utilização da nossa página:

  • 1.8: número de vezes que as crianças vêem cada episódio (em média);
  • 96%: satisfação das crianças com os episódios do Ginja (média de 311 avaliações);
  • 241 educadores inscritos;
  • 1281 utilizadores inscritos;
  • 8432 crianças a seguir o programa;
  • 990 seguidores no Facebook;
  • 14068 visualizações dos episódios do Ginja.

Crescimento

Os nossos indicadores de impacto explodiram desde que abrimos a inscrição ao público em Janeiro de 2021 por causa do novo confinamento, como mostramos abaixo. O primeiro gráfico é o número de crianças cujos adultos utilizaram o nosso site, o segundo gráfico é o número de novos visualizações de episódios, ambos no período dos 30 dias anteriores a cada data. Os números correspondem ao crescimento destes indicadores comparado com o mês anterior. Actualizamos estes gráficos diariamente.

Modelo de negócio

Somos uma empresa social e a nossa primeira prioridade é resolver os problemas que decorrem das crianças terem baixa inteligência emocional (saber mais). Queremos primeiro criar impacto e valor, e só depois capturar parte desse valor.

Mesmo assim, temos algumas hipóteses de vendas que os nossos utilizadores nos pediram e que vamos explorar com o objectivo de sermos financeiramente sustentáveis no fim de 2021:

  • Vender uma licença a editoras para inclusão em programas virtuais para escolas.
  • Vender a série a escolas com representação dos episódios em teatro ao vivo e facilitação e partilha com as crianças.
  • Vender a série à televisão.
  • Vender sessões de "terapia de fantoches" por internet para as crianças falarem de emoções com o Ginja na presença dos pais.

Contribuição para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável

Contribuímos sobretudo para:

A longo prazo e indirectamente, também esperamos contribuir para:

Teoria da mudança

A nossa teoria da mudança, de forma resumida, é:

  • os "stakeholders" são famílias e escolas com crianças entre os 5 e 10 anos
  • o problema é a baixa inteligência emocional em 17% das crianças (saber mais)
  • uma causa é a falta de educação emocional, tanto na escola como nas famílias
  • a nossa actividade é uma série de vídeos e podcasts para ver e ouvir em família ou nas salas de aula (saber mais sobre a solução)
  • o nosso "output" é o número de famílias ou escolas inscritas
  • o nosso impacto em crianças é melhor educação (medido por resultados escolares), saúde, perspectivas de emprego, e felicidade na vida, alinhados com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 4, 3, 12 e 8 (saber mais)
  • o nossa métrica a curto prazo é um inquérito por internet de famílias registadas cuja pergunta principal é "Ficaria muito desiludido se não pudesse usar mais a nossa série?" (a medida normal de adequação entre produto e mercado)
  • a nossa proposta de avaliação é um projecto piloto em escolas com alocação aleatória e medição dos níveis de consciência emocional nas crianças e diferença de comportamento com entrevistas a pais e educadores (o líder de projecto tem um doutoramento e experiência em ensaios clínicos, por exemplo esta proposta com aprovação ética)
  • os nossos riscos são sobretudo financeiros (se não gerarmos receitas suficientes para sermos sustentáveis) e de atrição (se as famílias abandonarem o programa), e podemos quantificar ambos.

Igualdade, diversidade e inclusão

A nossa política de igualdade, diversidade, e inclusão assenta nos pontos seguintes.

Insistimos na paridade de género, quer na equipa quer nos vídeos.

Seguimos as práticas que vêm da pesquisa académica (o líder de projecto estudou os impactos económicos da discriminação): por exemplo, pedimos aos candidatos que não ponham o nome nos currículos para evitar um viés cultural; para selecção das vozes dos actores e actrizes, fazemos entrevistas só por áudio para evitar um viés da aparência física.

Dentro da equipa, privilegiamos partilha de emoções e vulnerabilidade, por exemplo: começamos e acabamos cada reunião com uma ronda de partilha dos nossos sentimentos naquele momento, o que cria segurança psicológica para trabalhar em conjunto e também ajuda a tratar de dificuldades antes de se tornarem problemas.

Parceiros actuais

O Ginja tem orgulho no apoio internacional de: